A importância do branding nas vendas


O branding, ou gestão de marca, é um conjunto de ações, ideias, posicionamento, design e todos os elementos que definem a identidade da sua marca. Mais do que tornar sua marca bonita, ele tem como objetivo despertar sensações conscientes e inconscientes para que o cliente escolha a sua marca no momento da decisão de compra.

O processo de construção de uma marca é composto por algumas definições: definição do negócio, posicionamento e a proposta de valor. A definição do negócio deve informar qual é o produto ou serviço que a empresa oferece ao consumidor. O posicionamento inclui a forma com que o consumidor enxerga a marca, reputação, posicionamento no mercado e o slogan. A proposta de valor é o diferencial e o benefício que o consumidor terá se optar pelo serviço ou produto da empresa.

O branding deve ser um processo completamente honesto, um processo que defina a empresa de dentro para fora e que se mantenha fiel à realidade. Ninguém gosta de charlatões e de ser enganado, por isso, o branding também é importante para evitar gerar essas sensações.

O conceito de branding surgiu antes do marketing digital, quando a internet ainda não existia e as marcas expressavam esse conceito somente pela mídia offline. Hoje, com o marketing digital, o branding pode estar no site, no blog, nas redes sociais e até mesmo nos materiais digitais desenvolvidos por uma empresa. Na prática, podemos listar pontos essenciais para trabalhar o branding no marketing digital:

1. Logo: Além de ser usada em materiais impressos, lembre que a logo da sua empresa também será usada no mundo digital. Por isso, no momento da criação da marca, é importante pensar em como ela ficará nas aplicações na web, se será de fácil entendimento e leitura quando estiver em uma versão reduzida, por exemplo.

2. Manual da marca: O manual da marca deve conter as cores e seus códigos, fontes utilizadas, versões da logo que podem ou não ser utilizadas e como ela deve ser aplicada em certos materiais. Ele será um guia para que qualquer pessoa que o leia saiba como aplicar a marca em qualquer material.

3. Estilo: Vamos usar como exemplo o Instagram. Com a identidade visual fica muito mais fácil definir um estilo para as suas postagens e combinar fotos. Você pode combiná-las a partir de uma paleta de cores, elementos que se complementam, formas, e outras opções. Atenção para o uso do mosaico no Instagram! Seu perfil não deve apenas mostrar uma combinação de fotos, mas sim uma história real, que funcione também individualmente. O mosaico é uma forma de combinar 3, 6, 9 ou mais fotos para que, quando vistas juntas no perfil, formem uma imagem contínua ou até mesmo uma só imagem.

4. Personalidade: Pense nesse quesito como se sua empresa fosse uma pessoa. Como ela se comportaria na internet? Como responderia mensagens e comentários? Usaria uma linguagem formal ou mais despojada? Tudo isso deve ser pautado e balizado com as personas do seu negócio.

5. Canais: Os canais são as plataformas que você utilizará na internet. Facebook, Instagram, LinkedIn, Blog, Whatsapp… A relevância de cada canal se dá pela presença do seu público alvo, por isso foque nos canais onde ele estiver.

6. Conteúdo: Defina quais conteúdos serão abordados nos canais. Por exemplo: uma empresa que vende móveis sob medida pode abordar temas como a diferença entre os materiais nos móveis, as vantagens de usar móveis sob medida, diferenciais da empresa e oferecer seus produtos de maneira humanizada. Essa definição também depende do tipo de estratégia que sua empresa quer utilizar.

Discursos pautados simplesmente à venda, promoções e preços estão ficando para trás. Eles ainda existem, mas têm dificuldade em atrair todos os tipos de consumidores, principalmente as gerações y e millenium em diante. Além de conseguir criar uma conexão real com o cliente, estamos em um momento em que as empresas devem criar uma atmosfera de valor, relacionamentos mais genuínos e vantajosos entre marca e consumidor, indo além do produto através da promoção de uma verdadeira experiência.

Não existe um prazo ou idade para uma empresa repensar seu branding, o momento é agora! A Starbucks, criada em 1971, vende mais que um simples café, ela oferece uma experiência ao consumidor, e isso cativa as pessoas. Outras marcas como Nike e Adidas (ambas de 1964) também não vendem mais apenas roupas esportivas, mas um ecossistema inteiro que incentiva o consumidor a exercer seu máximo potencial como atleta. Isso é propósito! Isso gera valor de longo prazo para uma marca, que será vista pelos consumidores.

Já diria Ana Couto, um dos principais nomes do branding no Brasil: “Imagine o branding como um exercício físico para manter a sua marca em forma”. Isso quer dizer que o branding é um trabalho contínuo, que não precisa esperar uma marca “adoecer” para ser colocado em prática. Por exemplo: o McDonald’s não pode se prender para sempre ao Big Mac em um mundo onde as pessoas se preocupam cada vez mais com a saúde alimentar.

Você acredita que sua marca se destaca por seus propósitos? Quer saber mais sobre branding e como podemos ajudar a sua empresa a crescer com solidez? Clique aqui para acessar nosso site e enviar uma mensagem, e fique à vontade para enviar um e-mail para contato@estudiowings.com quando quiser!

Últimos conteúdos